Avançar para o conteúdo principal

OLHARES|"Letters From the Boatman" - a Jigsaw



"São cartas de um barqueiro que se vão desvendando, relatos matizados pela inspiradora veia folk-rock-blues de um trio visivelmente amadurecido. Não são apenas as histórias - duas mais duas, são os arranjos que nos vão deixando naturalmente à coca...intimistas, perdidos pela vontade acústica de sempre, estas são as primeiras cartas de um barqueiro à deriva, mas com tanto e tanto para dizer (...) às vezes mais folk, outras vezes mais rock." (1)

Por esta altura não sonhava ainda com o que por aí vinha. Na verdade, apenas imaginava que algo de muito prazenteiro se aproximava - mas apenas imaginava. Posto isto e passado algum tempo, ouvido várias vezes este "Letters From the Boatman", fiquei com a certeza que o grupo de João Rui (voz, guitarra acústica, harmónica, banjo e bandolim), Jorri (baixo e percussões) e Susana Ribeiro (violino, gloken, melodica e harmonium), estava mesmo de parabéns. "Letters From the Boatman" é um disco de 14 cartas musicadas, 14 músicas de uma beleza, de uma coerência e consistência assustadoras, tal a sensação que o disco reproduz em nós - do início ao fim. Do princípio à despedida.
Percebe-se facilmente que é um disco grande; um disco cuidado, nascido da qualidade natural de uma superbanda liderada pelos conimbricences a Jigsaw. Num grande trabalho de produção de Miro Vaz (Pluma), em "Letters From the Boatman" desfilam como convidados, Marco Nunes (Jorge Palma), Raquel Ralha (WrayGunn), Sérgio Nascimento (Humanos), Kaló (Bunnyranch), Paulo Jacob (Bodhi), Carlos Santos (Raindogs), Bérito (Squeeze Theeze Pleeze) e Guilherme Barbosa, entre tantos outros. Que resultado se poderia esperar, senão um disco de grande sensibilidade e sinceridade?
É sabido que a arte dos a Jigsaw se divide sonoramente por dois caminhos; um mais intimista, feito de alguma sobriedade, do sussurro, de uma certa acalmia interior; e um outro mais enérgico, mais rock, mais folk, mais blues, onde se dá espaço à vontade de gritar dos a Jigsaw, de falar mais alto - entre o acústico e o eléctrico. À sonoridade vinda do Poente, dos campos da América do Norte, os a Jigsaw somam uma centrada poesia; cartas de um espírito contraditório, diferente como os dias, ora de azedume, ora de alegria, expressões do viver de um barqueiro com tanta coisa para dizer. Os a Jigsaw dizem-no com aquela humanidade. É sobre as coisas da vida.
Acima de tudo, este é um disco irresistível; um disco que quanto mais se ouve, mais se quer ouvir, tal o preciosismo com que cada tema é modelado; mas também pela melodia, pelas palavras, pela simplicidade e bom gosto dos pormenores. Com o EP "from underskin" (Som Sónico, 2004) à distância de três anos, os a Jigsaw estão maiores, estão melhores e aconselham-se; já!

som Ouvir alguns sons de "Letters From the Boatman".

capa de Letters From the Boatman
"Letters From the Boatman" - a Jigsaw (Rewind Music, 2007)

01 Lion's Eyes Louder
02 The Waltz Of Fear
03 You’re The One I Want The Most
04 New Man Waiting
05 Blame Me
06 A River For A Wife
07 Letters From The Boatman
08 Return From Winter
09 My Kindness
10 With My Voice
11 Life’s Like A Riverboat
12 To Whom Shall I Give My Blood
13 Of Those Who Know You're Right
14 Leave If You Can

tipo Folk/Rock/Indie
sítio www.ajigsaw.com
sítio www.rewind-music.net

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…

SÍTIOS|On-Line Music Distributors

Não se pode ignorar...
Com a implantação da Internet e principalmente com a generalização do acesso por banda larga, não só os músicos independentes ganharam uma nova forma de divulgar a sua música - para alguns é e será mesmo a única, como promotores e público em geral ganhou uma nova forma de a consumir - nova e gratuita. Com o aparecimento das On-Line Music Distributors (OMD), ou semelhantes, muitos músicos tiveram a oportunidade de largar em definitivo a solidão dos seus quartos e garagens e mostrar as suas criações a um mundo cada vez maior. À falta de palco, grande parte da comunidade musical independente ganhou efectivamente uma nova forma de exposição - barata, global e às vezes eficiente. As OMD (e semelhantes) têm servido nos últimos anos para divulgar centenas e centenas de artistas, sendo hoje, um fenómeno em extraordinária expansão; tão grande que chega a ver a razão da sua existência desvirtuada e aproveitada por artistas já consagrados; veja-se o exemplo do último álbum …

RECORDAÇÕES|"Anonimato" - Anonimato

A recordação ou o regresso ao Alentejo; o de sempre, aquele do suor, das noites frias de Inverno, da vadiagem...de tudo.
Mas...regressando à música, algum espaço para os Anonimato; fenómeno especialmente regional - e que fenómeno - os Anonimato foram durante os anos de 1990 a 1997 um dos grandes - se não os maiores - embaixadores do pop-rock alentejano - sim, alentejano, neste âmbito até faz sentido. Com dois álbuns editados durante a sua curta carreira, este, o homónimo, traz os temas pelos quais o quarteto bejense mais ficou conhecido e que maior furor fizeram por esse Baixo Alentejo fora: "Sei que não sou" - pois claro, "Gravatas" e "Grão de Amor". Mas porquê? Não sei, senão as recordações que trazem, o que fazem sentir, a agradável textura pop que acompanha boa parte daquelas sinceras palavras lusas; bem medidas, bem sentidas. Depois, ainda há o aroma do Alentejo, também...aqui e ali, além. Liderados por Paulo Ribeiro, autor de um álbum solo em 2002, …