Avançar para o conteúdo principal

SINGLES & EP'S|"Manifesto Anormal do Fundamento" - Indignu



As coisas que o tempo faz; não só o tempo mas a convicção, a perseverança, enfim, a vontade. Os Indignu estão em crescimento e andam de novo por aqui. Grupo barcelense formado em 2003, hoje, composto por Xiko (voz), Afonso Dorido (guitarra), Matthew (baixo), Jimmy (gitarra) e Ketas (bateria), os Indignu lançaram já este ano o seu EP "Manifesto Anormal do Fundamento", um disco com sete temas e produção de José Arantes.
Genericamente, em "Manifesto Anormal do Fundamento", não é só uma alma nova que se ouve, é mais do que isso. São vários os indícios que orientam o som dos Indignu para um patamar de qualidade mais elevado; muito mais consistente no seu todo e muito mais coerente com os novos tempos. Assente cada vez mais num trabalho apurado das guitarras - sem esquecer o posicionamento da secção rítmica, o rock dos Indignu, no seu campo instrumental, está hoje cada vez mais enredado por um desejo pós-rock - baloiçando a espaços entre o passado e o presente. São as guitarras que nos prendem, é alguma da fantasia eléctrica ouvida que nos atrai. "Enquanto Assim For", é bem a expressão dessa nova e interessante faceta do quinteto de Barcelos - a preferida por aqui. Num outro sentido, a voz de Xiko - melhor que em anteriores registos, parece ainda algo presa a uma colocação típica das ideias anteriores da banda. Se é ela que por um lado até diferencia a arte do grupo - o timbre que dá cor à língua e à temática dos Indignu, por outro lado, também é ela que por momentos ainda prende os Indignu a um passado menos singular.
Se a busca de uma sonoridade própria, mais evoluída e ainda não terminada, é hoje um ponto essencial de evolução nos Indignu, já a forte intenção polítíco-social das suas letras, são hoje já um ponto assente. E bem. Cantadas em português, as letras dos Indignu têm sempre algo a dizer, algo que se funda inevitavelmente no que de negativo tem a triste sociedade consumista que nos envolve.
Talvez por tudo isto - mas não só, "Manifesto Anormal do Fundamento" é a declaração pública de um rock sério, marcado por um forte activismo social e a busca de uma sonoridade própria - que já esteve bem mais longe.

som Ouvir alguns destes sons no MySpace dos Indignu
.
capa de Manifesto Anormal do Fundamento
"Manifesto Anormal do Fundamento" - Indignu (Edição de Autor, 2007)

01 Alma Nova
02 S. Sebastian
03 Enquanto Assim For...
04 Pôr A Nu
05 Apartamentos de Luxo & Rebuçados
06 Ecos de Dor Boiando Nos Céus
07 Raiva( Silêncio do Escuro)

tipo Rock
sítio indignu.blogspot.com
sítio palcoprincipal.clix.pt/indignu

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…
SÍTIO DA QUINZENAFórum Sons
Não é novidade, mas o Fórum Sons é há muito local de encontro de melómanos lusos. É um fórum como qualquer outro, tem é a vantagem de ser frequentado por muita e boa gente.
Grande fórum!

Sítio: www.forumsons.com

AVISOS À NAVEGAÇÃO|...

ACTUALIZAÇÃO:

Bem, talvez noutro local...

------>

E se vos dissesse que amanhã o http://atrompa.blogspot.com já não terá movimento; e depois de amanhã também não; e depois, depois de amanhã também não; enfim, talvez nunca mais?

Pior, hoje não vai haver muito mais do que isto!