Avançar para o conteúdo principal

RECORDAÇÕES|"Iconolator" - The Astonishing Urbana Fall



Hoje, só um disco assim me faria escrever mais que uma dúzia de linhas. Na realidade, só um disco assim me faria despir a preguiça que trago hoje no corpo. Colectivo barcelense formado em 1995, os The Astonishing Urbana Fall foram indubitavelmente uma das propostas mais cativantes da música alternativa portuguesa da década de 90. Na verdade, custa a acreditar - até a aceitar - que se tenham quase sublimado, sem deixar rasto. Quase; como acontece em todas as histórias felizes, alguns anos mais tarde, acabariam por renascer nos La La La Ressonance. Bem, mas antes disso e depois de "Acetaminophen" (1997), "Iconolator"...
E não; não é brincadeira ou exagero, considerar este "Iconolator" um dos discos mais interessantes e importantes do ano de 1998 - estendendo-se mesmo para lá deste. Sem alinhar em cânones estilísticos previamente imaginados, "Iconolator" é desde logo uma bomba sonora, plena de criatividade e fortes sensações. É disso que se fala - também, de sensações, da percepção de um conjunto de múltiplas realidades; mais ou menos convencionais. A composição, o resultado final, quase tudo nos transporta pelas mais variadas paisagens, mais ou menos etéreas, fortemente imagéticas e geralmente até bizarras na sua forma combinatória. De uma raiz marcadamente instrumental, "Iconolator" move-se misteriosamente num convite ao movimento, convidados que somos pela riqueza criativa dos The Astonishing Urbana Fall.
Excelente recordação.

som A trompa tomou a liberdade e colocou para audição na jukebox 'Sons', o 1º tema do disco.

capa de Iconolator
"Iconolator" - The Astonishing Urbana Fall (Deixe de Ser Duro de Ouvido, 1998)

01 Act I 11.AM - Dance Mechanics: The Eardrum Machine
02 Act II 1.AM - Angel Trapping Radiation: The Drifter
03 Act III 5.AM - Lumière: The Nasty Ten Pound Syringe
04 5:45.AM - Graveyard Tragedy: The Caucasian Suicide Temple
05 Zero Time: The Iconolator

tipo Alternativo

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…

RECORDAÇÕES|"Anonimato" - Anonimato

A recordação ou o regresso ao Alentejo; o de sempre, aquele do suor, das noites frias de Inverno, da vadiagem...de tudo.
Mas...regressando à música, algum espaço para os Anonimato; fenómeno especialmente regional - e que fenómeno - os Anonimato foram durante os anos de 1990 a 1997 um dos grandes - se não os maiores - embaixadores do pop-rock alentejano - sim, alentejano, neste âmbito até faz sentido. Com dois álbuns editados durante a sua curta carreira, este, o homónimo, traz os temas pelos quais o quarteto bejense mais ficou conhecido e que maior furor fizeram por esse Baixo Alentejo fora: "Sei que não sou" - pois claro, "Gravatas" e "Grão de Amor". Mas porquê? Não sei, senão as recordações que trazem, o que fazem sentir, a agradável textura pop que acompanha boa parte daquelas sinceras palavras lusas; bem medidas, bem sentidas. Depois, ainda há o aroma do Alentejo, também...aqui e ali, além. Liderados por Paulo Ribeiro, autor de um álbum solo em 2002, …

NOVIDADES|"Trimegistus" - Necrostilet

Os Necrostilet estão de regresso!
Após o lançamento pela MiMi Records, já em 2007, de "From Utero to Space", Tiago Morgado e Marco Ramos estão de volta às edições. O novo disco chama-se "Trimegistus" e foi lançado na semana passada pela editora portuense OroborO Records, numa edição limitada a 144 unidades. No MySpace da dupla, é possível ouvir alguns dos sons que compõem "Trimegistus", sendo de destacar o tema "Trimegistus I", onde às experiências electrónicas, marcadamente ambientais e de tez espacial, se junta a magnífica viola d'arco de Tiago Morgado. Bela experiência electroacústica.

Ouvir alguns sons de "Trimegistus"

"Trimegistus" - Necrostilet (OroborO Records, 2007)

Ambiental/Noise
www.myspace.com/oretuni666