Avançar para o conteúdo principal

OLHARES|"Première" - Qwentin



Misteriosos, enigmáticos, apenas Qwentin. A banda do Cartaxo lança hoje o seu esperado álbum de estreia; "Première" de seu título.
Devorado que foi o disco - era muita a curiosidade, de 12 temas - também chamados de curtas-metragens - cantados ou narrados em castelhano, inglês, francês, italiano, português, holandês e esperanto, a dúvida mantém-se intacta. Melhor, adensa-se o mistério reinante há muito em volta do quinteto ribatejano. Mas quem são os Qwentin? A resposta não é fácil, no entanto, a mais simples das versões diz que são um quinteto do Cartaxo formado pelas estranhas figuras de Drepopoulos Qwentinsson (baixo), Gospodar Qwentinsson (guitarra e voz), Morloch Qwentinsson (programações e teclados), Qweon Qwentinsson (guitarra e voz) e Bárány Qwentinsson (bateria). Muito bem. Formados em 2003, e já com os EP "Il Commence Ici" (2004) e "Uomo-Tutto" (2005) no bornal, os Qwentin têm se lançado numa torrente criativa que mistura ao vivo a música com a perfomance.
Sobre o disco e juntando todas as peças, não sei se no seu todo, "Premiére", tem a coerência interna que seria imaginável - não sei sequer se tal seria importante para o caso, o que sei, é que o primeiro álbum dos Qwentin é traçado por um quadro de exploração sonora constante, sem género ou estilo definido, apenas centrado no objectivo de contar a história que tem para contar - seja qual for a sua forma de expressão. E fazem-no bem. Na verdade, o mistério continua no ar, continua difícil o traçar de uma orientação para os Qwentin; de a perceber - é isso que os mantém vivos como projecto. Parece haver até um esforço para nos confundir, forçando positivamente a originalidade em cada uma das suas criações - numas melhor que noutras, obviamente; na música, na letra e ao vivo na expressão corporal.
Mas também não compliquemos; aqui tudo é rock! Mesmo que no estender do disco, se cheire um toque progressivo, se note um esgar de metal ou se trauteie uma ideia mais pop. De tendência alternativa, a música dos Qwentin é uma enorme experiência dedicada à imaginação, à exploração de novos conteúdos, às novas formas de comunicar. São outras formas de afirmação artística; de passar a mensagem.
Sem grandes subterfúgios técnicos, "Première" é de uma crueza e diversidade sonora assinalável, sendo de saudar, efectivamente, a chegada ao duro mercado do singular e invulgar rock dos Qwentin.
O disco foi produzido por Daniel Cardoso (Head Control System) e conta com a colaboração especial de Rui Duarte (RAMP) no tema “Mind (the) Thieves”.
Hoje, nas lojas (incluindo as online)!

som Ouvir o tema de apresentação, "N.F.O. Kronikoj". Por aqui, há muito mais som de Qwentin. E aqui também.

capa de Première
"Première" - Qwentin (Raging Planet, 2007)

01 Fatalidad!
02 Casualty Friday
03 Il Commence Ici
04 trailer de "Aqui."
05 Uomo-Tutto
06 Jornalisma
07 intervalo
08 Tweestrijd
09 Aqui.
10 N.F.O. Kronikoj
11 Mind (the) Thieves
12 Terrier

tipo Alternativo
sítio www.qwentin.com
sítio qwentinband.blogspot.com
sítio www.palcoprincipal.pt/qwentin

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…

SÍTIOS|On-Line Music Distributors

Não se pode ignorar...
Com a implantação da Internet e principalmente com a generalização do acesso por banda larga, não só os músicos independentes ganharam uma nova forma de divulgar a sua música - para alguns é e será mesmo a única, como promotores e público em geral ganhou uma nova forma de a consumir - nova e gratuita. Com o aparecimento das On-Line Music Distributors (OMD), ou semelhantes, muitos músicos tiveram a oportunidade de largar em definitivo a solidão dos seus quartos e garagens e mostrar as suas criações a um mundo cada vez maior. À falta de palco, grande parte da comunidade musical independente ganhou efectivamente uma nova forma de exposição - barata, global e às vezes eficiente. As OMD (e semelhantes) têm servido nos últimos anos para divulgar centenas e centenas de artistas, sendo hoje, um fenómeno em extraordinária expansão; tão grande que chega a ver a razão da sua existência desvirtuada e aproveitada por artistas já consagrados; veja-se o exemplo do último álbum …

SECÇÃO MP3|"Sansão Foi Enganado" - Bunnyranch

"Sansão Foi Enganado", agora pelos Bunnyranch...mais de 40 anos depois!
Já por aqui se falou em "Sansão Foi Enganado" de Zeca do Rock, conhecido por ter sido o primeiro yeah gravado da música portuguesa, lembram-se? Muito bem, Henrique Amaro convidou os Bunnyranch a recriar o tema e estes, aceitaram.
O resultado? É rock'n'roll pois então.
É mesmo o grande destaque de hoje!

Download deste momento único: "Sansão Foi Enganado" pelos Bunnyranch.


Rock'n'Roll
www.myspace.com/bunnyranchspace