Avançar para o conteúdo principal

EM DIRECTO|Com Freddy Locks



Ainda na ressaca do novo "Bring Up the Feeling", Freddy Locks respondeu a algumas perguntas d'a trompa:

a_trompa: Assim de repente, quem é Freddy Locks, no actual panorama da música portuguesa?
Acho que esta pergunta não deve ser feita á minha pessoa… Não sei responder…

a_trompa: Há diferenças entre o Freddy Locks dos PoorManStyle e o Freddy Locks a solo? Quais?
A pessoa é a mesma, só a forma de trabalhar mudou. Nos Poormanstyle éramos uma banda e apesar da esmagadora maioria dos temas terem sido escritos por mim, havia uma verdadeira partilha quanto aos arranjos e aos planos da banda, no meu projecto a solo, também existe partilha mas sou eu sozinho que decido os arranjos finais e a escrita de todos os temas e assumo a responsabilidade de tudo o que se vai passando.

a_trompa: Foi criada alguma expectativa em volta do novo disco; como tem sido a aceitação do mesmo? Sente que as expectativas positivas que as pessoas tinham foram confirmadas?
É sempre muito difícil saber quais são as expectativas das pessoas, mas tenho recebido uma aceitação que excedeu pelo menos as minhas expectativas. Sinto que muita gente recebeu o disco de uma forma muito entusiasta e que está a ser muito bem aceite. Para mim mesmo foi uma grande vitória e sinto que foi um primeiro passo para outro nível.

a_trompa: Para quem não conhece ainda o disco, que tipo de sensações se podem esperar da audição de "Bring Up the Feeling"?
É um disco com muito groove, tem temas mais alegres e dançáveis e outros mais calmos e militantes. Acho que é um disco fácil de ouvir e que apela ao sentimento, revela várias facetas do reggae e da minha visão do mundo.

a_trompa: Como tem sido a reacção do público ao novo disco, nos concertos? O que se pode esperar, efectivamente, de um concerto de Freddy Locks?
Tem sido muito positiva reacção do público ao disco e já dá para sentir isso nos concertos, há pessoal a cantar os temas e já houve concertos em que atingimos um nível de magia muito bom. A garantia que se pode ter ao ver um concerto meu é que vão ver algo verdadeiramente sentido e que busca chamar o lado espiritual e positivo da vida, somos uma banda com gente muito madura e que faz música por amor então isso dá para ver e sentir, caso estejamos vivos claro…

a_trompa: Num exercício de futurologia, onde estará Freddy Locks daqui a 10 anos? Há novos panos que se possam revelar?
Pois não dá para saber, eu vivo todos os dias intensamente e não consigo pensar a longo prazo. Enquanto estiver vivo, vou fazer música, agora vamos continuar a mostrar o disco "Bring up the feeling", talvez lançar outro single do disco, mas já tenho músicas novas suficientes para fazer outro disco, enfim vou vivendo cada dia o mais intensamente possível e fazendo música sem expectativas definidas, o que tiver que acontecer virá naturalmente.

som Ouvir alguns sons de Freddy Locks

foto de Freddy Locks

tipo Reggae
tipo www.radiofazuma.com/freddylocks

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…

SÍTIOS|On-Line Music Distributors

Não se pode ignorar...
Com a implantação da Internet e principalmente com a generalização do acesso por banda larga, não só os músicos independentes ganharam uma nova forma de divulgar a sua música - para alguns é e será mesmo a única, como promotores e público em geral ganhou uma nova forma de a consumir - nova e gratuita. Com o aparecimento das On-Line Music Distributors (OMD), ou semelhantes, muitos músicos tiveram a oportunidade de largar em definitivo a solidão dos seus quartos e garagens e mostrar as suas criações a um mundo cada vez maior. À falta de palco, grande parte da comunidade musical independente ganhou efectivamente uma nova forma de exposição - barata, global e às vezes eficiente. As OMD (e semelhantes) têm servido nos últimos anos para divulgar centenas e centenas de artistas, sendo hoje, um fenómeno em extraordinária expansão; tão grande que chega a ver a razão da sua existência desvirtuada e aproveitada por artistas já consagrados; veja-se o exemplo do último álbum …

RECORDAÇÕES|"Anonimato" - Anonimato

A recordação ou o regresso ao Alentejo; o de sempre, aquele do suor, das noites frias de Inverno, da vadiagem...de tudo.
Mas...regressando à música, algum espaço para os Anonimato; fenómeno especialmente regional - e que fenómeno - os Anonimato foram durante os anos de 1990 a 1997 um dos grandes - se não os maiores - embaixadores do pop-rock alentejano - sim, alentejano, neste âmbito até faz sentido. Com dois álbuns editados durante a sua curta carreira, este, o homónimo, traz os temas pelos quais o quarteto bejense mais ficou conhecido e que maior furor fizeram por esse Baixo Alentejo fora: "Sei que não sou" - pois claro, "Gravatas" e "Grão de Amor". Mas porquê? Não sei, senão as recordações que trazem, o que fazem sentir, a agradável textura pop que acompanha boa parte daquelas sinceras palavras lusas; bem medidas, bem sentidas. Depois, ainda há o aroma do Alentejo, também...aqui e ali, além. Liderados por Paulo Ribeiro, autor de um álbum solo em 2002, …