Avançar para o conteúdo principal

DISCOGRAFIAS|Danças Ocultas



"Um pulsar, uma estrela longínqua, um bater de coração em ritmo acelerado numa viagem perdida no tempo e no espaço. Em diáspora. Felizmente".

Começava assim o texto escrito neste blog, em Fevereiro de 2005, sobre o magnífico "Pulsar". Na verdade, a história destas Danças Ocultas começa alguns anos antes. Hoje, a discografia pertence-lhes.
Grupo composto por Artur Fernandes, Filipe Cal, Filipe Ricardo e Francisco Miguel, os Danças Ocultas são das experiências musicais mais interessantes que este país viu nascer e crescer na última década e meia. Com cerca de 15 anos de história e decididos a fazer ressurgir o acordeão diatónico, por cá também conhecido por concertina, os Danças Ocultas são já responsáveis por três belíssimos álbuns. Do mote dado com o primeiro "Danças ocultas" - produção de Gabriel Gomes, já de uma luz cintilante; passando pelo mais explorador "Ar", de 1998 - ainda com produção de Gabriel Gomes; terminando no belo e surpreendente "Pulsar", toda a carreira dos Danças Ocultas é uma viagem de bom gosto, cravado de sensações únicas e infinitas.
Com uma evolução que se sente a cada disco, técnica e esteticamente, cada vez mais criativos, ouvir hoje Danças Ocultas é e será sempre uma estimulante experiência. Emocionante. É a exploração de novas fronteiras, de novas formas de manusear e combinar o instrumento, são novas linguagens que se vão aperfeiçoando - como quem viaja um pouco por todo o mundo, que faz da música dos Danças Ocultas aquilo que ela é: quente, superior, apaixonante...
Como se todo o mundo coubesse numa concertina; dá para acreditar numa aventura assim? Dá!

Discografia (álbuns)
- "Pulsar" (Magic Music, 2004)
- "Ar" (EMI-VC, 1998)
- "Danças Ocultas" (EMI-VC, 1995) - lançado em 1996

som Ouvir alguns sons dos Danças ocultas.

discografia de danças ocultas
tipo World
sítio dancasocultas.weblog.com.pt

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…

AVISOS À NAVEGAÇÃO|...

ACTUALIZAÇÃO:

Bem, talvez noutro local...

------>

E se vos dissesse que amanhã o http://atrompa.blogspot.com já não terá movimento; e depois de amanhã também não; e depois, depois de amanhã também não; enfim, talvez nunca mais?

Pior, hoje não vai haver muito mais do que isto!
SÍTIO DA QUINZENAFórum Sons
Não é novidade, mas o Fórum Sons é há muito local de encontro de melómanos lusos. É um fórum como qualquer outro, tem é a vantagem de ser frequentado por muita e boa gente.
Grande fórum!

Sítio: www.forumsons.com