Avançar para o conteúdo principal

100 PALAVRAS & MAIS ALGUMAS|'Fados' - Carlos Saura



Fui ver a última obra de Carlos Saura, o polémico "Fados". Não me imiscuindo em polémicas, geralmente envoltas em politiquices pouco claras e pouco interessantes ou outros sentimentos menos próprios, o facto é que abandonei a sala de cinema com um certo travo a desilusão. E não fui só eu...
Sem saber muito bem o que esperar - realmente, apenas que a apelidavam já de obra-prima - com algum exagero, acho que genericamente contava com um filme-documentário próximo da realidade histórica do fado - a presença de Rui Vieira Nery como consultor de musicologia dava a máxima garantia. Acho que foi esta a grande desilusão; um argumento com uma estrutura pouco clara, assumindo preferencialmente uma visão algo livre do fenómeno, por vezes mais perto da ficção do que da realidade. Mais perto da ideia de "Fado" que Carlos Saura quis construir - uma ideia também comercial, obviamente. Nem o verdadeiro objectivo do projecto me parece muito claro; comercial? promocional? um misto dos dois?
Este não é um filme exclusivamente sobre o fado, é essencialmente um filme de fados, visões, variações, reinterpretações, quanto muito, uma homenagem ao fado, numa visão pessoal e ficcionada do realizador. Na verdade, são vários os momentos em que me senti perdido...
Depois, não é pela escolha dos fadistas nacionais - sempre discutível mas naturalmente aceitável, tão pouco pelas presenças internacionais, todos elas com interpretações excelentes - aqui noutra piscadela de olho ao mercado internacional, é sim pela falta de uma ligação realista, de um enquadramento coerente, uma estrutura que faça passar a mensagem sem criar alguma confusão...isto é o fado ou uma visão sobre o fado? Se para um português, a quase falta de narrativa ou informação não é um problema, já para uma boa parte do público dos 28 países que adquiriram o filme, presumo que seja e crie alguma confusão, perdendo parte do seu potencial de divulgação.
No fim, acaba por ser um filme que se aconselha; pela música, pela imagem, pelo documento ficcional que é, enfim, pelo espectáculo; por outro lado, merecerá sempre um maior cuidado quando se pretender analisá-lo numa perspectiva histórica, cultural e social. É demasiado imaginoso para servir como tal.
Enfim, é espectáculo!

Momentos altos:
- interessante inclusão de momentos coreográficos a acompanhar a música;
- genericamente, um trabalho cenográfico interessante - excelente momento o de "Um Homem na Cidade" com Carlos do Carmo;
- excelente fotografia;
- participações internacionais a dar uma visão diferente do fado;
- excelente participação dos fadistas Carlos do Carmo, Camané e Mariza - principais figuras do filme;
- emocionante a presença de Chico Buarque com o "Fado Tropical" - no tema da "Revolução";
- Bom momento dedicado ao fado vadio, com as participações de Vicente da Câmara, Maria da Nazaré, Pedro Moutinho, Ana Sofia Varela, Carminho e Ricardo Ribeiro.


Momentos baixos:

- argumento pouco claro;
- pobreza cenográfica inicial, no momento da entrada dos Kola San Jon;
- muito desenquadrada a presença de NBC e SP&Wilson na homenagem a Alfredo Marceneiro - como diz o povo, cravada à paposseco;
- infeliz e marcadamente insuficiente, a primeira parte da homenagem a Amália - sem contar com a luminosa versão de "Estranha Forma de Vida" na voz de Caetano Veloso;
- final algo abrupto, com um ligeiro sabor a pouco;
- pouco realista como cartão de visita do fado.

cartaz de Fados
sítio www.duvideo.pt

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…

SÍTIOS|On-Line Music Distributors

Não se pode ignorar...
Com a implantação da Internet e principalmente com a generalização do acesso por banda larga, não só os músicos independentes ganharam uma nova forma de divulgar a sua música - para alguns é e será mesmo a única, como promotores e público em geral ganhou uma nova forma de a consumir - nova e gratuita. Com o aparecimento das On-Line Music Distributors (OMD), ou semelhantes, muitos músicos tiveram a oportunidade de largar em definitivo a solidão dos seus quartos e garagens e mostrar as suas criações a um mundo cada vez maior. À falta de palco, grande parte da comunidade musical independente ganhou efectivamente uma nova forma de exposição - barata, global e às vezes eficiente. As OMD (e semelhantes) têm servido nos últimos anos para divulgar centenas e centenas de artistas, sendo hoje, um fenómeno em extraordinária expansão; tão grande que chega a ver a razão da sua existência desvirtuada e aproveitada por artistas já consagrados; veja-se o exemplo do último álbum …

RECORDAÇÕES|"Anonimato" - Anonimato

A recordação ou o regresso ao Alentejo; o de sempre, aquele do suor, das noites frias de Inverno, da vadiagem...de tudo.
Mas...regressando à música, algum espaço para os Anonimato; fenómeno especialmente regional - e que fenómeno - os Anonimato foram durante os anos de 1990 a 1997 um dos grandes - se não os maiores - embaixadores do pop-rock alentejano - sim, alentejano, neste âmbito até faz sentido. Com dois álbuns editados durante a sua curta carreira, este, o homónimo, traz os temas pelos quais o quarteto bejense mais ficou conhecido e que maior furor fizeram por esse Baixo Alentejo fora: "Sei que não sou" - pois claro, "Gravatas" e "Grão de Amor". Mas porquê? Não sei, senão as recordações que trazem, o que fazem sentir, a agradável textura pop que acompanha boa parte daquelas sinceras palavras lusas; bem medidas, bem sentidas. Depois, ainda há o aroma do Alentejo, também...aqui e ali, além. Liderados por Paulo Ribeiro, autor de um álbum solo em 2002, …