Avançar para o conteúdo principal

OLHARES|"Blaupunkt Blues" - António Olaio & João Taborda



Onze anos depois de "LoudCloud" (LUX Records, 1996) e sete após "Sit On My Soul" (LUX Records/NorteSul, 2000), a dupla António Olaio e João Taborda regressa ao firmamento com um novo disco. Não seria obrigatoriamente algo de relevante, não fossem António Olaio e João Taborda aquilo que são - e o que já fizeram; um artista plástico e um investigador científico com uma paixão inabalável pelas coisas da música. E isso vê-se; sente-se.
O novo disco chama-se "Blaupunkt Blues", teve produção de Pedro Renato (Belle Chase Hotel, Azembla's Quartet) e é composto por um conjunto de 15 novas canções. E nem aqui, as novidades seriam particularmente interessantes, não fossem estas, canções no verdadeiro sentido da coisa; pedaços de mensagens sonoramente coloridas, com início, meio e fim, com coração. Como nos vêm habituando, são os diferentes momentos, os diferentes casos e ocasos proporcionados pela diferenciada representação de Olaio, assim como pela desarmante simplicidade da viola de João Taborda, que nos deixa assim - felizes. Enfim, canções com convicção. "Blaupunkt Blues" é um trabalho feito de continuidades; nos objectivos, na forma - não passando despercebido a exploração de algumas atmosferas electrónicas - e essencialmente na qualidade global do registo. E isso, sente-se.
O disco teve edição Lux Records e contou com as participações de Pedro Pinto (Wraygunn, Belle Chase Hotel) na bateria e Pedro Renato no baixo e teclas.

capa de Blaupunkt Blues
"Blaupunkt Blues" - António Olaio & João Taborda (LUX Records, 2007)

01 What makes a home a house?
02 Blaupunkt blues
03 Red rainbows
04 Poetry
05 Ritz
06 The phone in my ear
07 Twins
08 20 years in a plane
09 Sailing to Bermuda triangle
10 Invisible
11 Pictures are not movies
12 If I wasn?t an artist
13 My feet are killing me
14 Under the stars
15 Sleepwalker

tipo Alternativo
sítio www.myspace.com/luxrecord

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…

RECORDAÇÕES|"Anonimato" - Anonimato

A recordação ou o regresso ao Alentejo; o de sempre, aquele do suor, das noites frias de Inverno, da vadiagem...de tudo.
Mas...regressando à música, algum espaço para os Anonimato; fenómeno especialmente regional - e que fenómeno - os Anonimato foram durante os anos de 1990 a 1997 um dos grandes - se não os maiores - embaixadores do pop-rock alentejano - sim, alentejano, neste âmbito até faz sentido. Com dois álbuns editados durante a sua curta carreira, este, o homónimo, traz os temas pelos quais o quarteto bejense mais ficou conhecido e que maior furor fizeram por esse Baixo Alentejo fora: "Sei que não sou" - pois claro, "Gravatas" e "Grão de Amor". Mas porquê? Não sei, senão as recordações que trazem, o que fazem sentir, a agradável textura pop que acompanha boa parte daquelas sinceras palavras lusas; bem medidas, bem sentidas. Depois, ainda há o aroma do Alentejo, também...aqui e ali, além. Liderados por Paulo Ribeiro, autor de um álbum solo em 2002, …

NOVIDADES|"Trimegistus" - Necrostilet

Os Necrostilet estão de regresso!
Após o lançamento pela MiMi Records, já em 2007, de "From Utero to Space", Tiago Morgado e Marco Ramos estão de volta às edições. O novo disco chama-se "Trimegistus" e foi lançado na semana passada pela editora portuense OroborO Records, numa edição limitada a 144 unidades. No MySpace da dupla, é possível ouvir alguns dos sons que compõem "Trimegistus", sendo de destacar o tema "Trimegistus I", onde às experiências electrónicas, marcadamente ambientais e de tez espacial, se junta a magnífica viola d'arco de Tiago Morgado. Bela experiência electroacústica.

Ouvir alguns sons de "Trimegistus"

"Trimegistus" - Necrostilet (OroborO Records, 2007)

Ambiental/Noise
www.myspace.com/oretuni666