Avançar para o conteúdo principal

EM SÍNTESE|"Sexually Transmitted Electricity" - Lobster



Bocejo? Como, se não há tempo?
Põe-se a rolar "Sexually Transmitted Electricity", novo disco dos Lobster, e imagina-se o suor estampado nos rostos de Guilherme Canhão (guitarra) e Ricardo Martins (bateria). Chega a ser aflitivo só de imaginar tal explosão, pensar em parar tal torrente sonora, quase diabólica, crua como a carne mais vermelha, que emerge do som produzido pela dupla; puro e duro - no seu verdadeiro sentido. Genericamente, a guitarra contorce-se, distorce-se, enrola-se pela bateria enlouquecida, cavalgante, estonteante - às vezes, até numa estranha serenidade. Pelo meio, fica uma dose de loucura e alguma insanidade especialmente bem vinda. Os quase famosos power-rangers, cavaleiros de um asfalto em brasa, servem-nos em "Sexually Transmitted Electricity" uma imprescindível aventura de noise-rock.
O disco foi produzido por Paulo Miranda e Rodrigo Cardoso, no AMPstudio.

som Ouvir o novo single de "Sexually Transmitted Electricity".

capa de Sexually Transmitted Electricity
"Sexually Transmitted Electricity" - Lobster (Bor Land, 2007)

tipo Rock Experimental
sítio www.wearelobsters.com
sítio www.myspace.com/wearelobsters

Mensagens populares deste blogue

AUDIÇÕESBrilhante Pop 2003
São 3 discos pop, mais à esquerda, mais à direita, mais ao centro, trazem ao microfone 3 excelentes vozes femininas:
"Le Jeu" - Balla (2003/Music Mob/58)

Um disco irresistível.
Fantástica a voz sensual de Sylvie C em mais um lúcido disco de Armando Teixeira, melódico, marcado por ambientes voluptuosos, por uma pop interior, estética e poética.
Imageticamente irresistível, qual bandeira gaulesa a flutuar. Depois de um prometedor e excelente primeiro álbum, "Balla", Armando Teixeira voltou a surpreender as massas melómanas em 2003, com um disco cheio de charme e personalidade, sustentado pelo rigor da electrónica em doses incrivelmente equilibradoras do resultado final. Intemporal.
A elegância proporcionada por este "Le Jeu" é verdadeiramente assombrosa, quer se reine por ambientes pop mais jazzy quer se rume em direcção à "chanson française", este disco atinge o auge principalmente na voz de Sylvie C.
De uma simplicidade rumo…

RECORDAÇÕES|"Anonimato" - Anonimato

A recordação ou o regresso ao Alentejo; o de sempre, aquele do suor, das noites frias de Inverno, da vadiagem...de tudo.
Mas...regressando à música, algum espaço para os Anonimato; fenómeno especialmente regional - e que fenómeno - os Anonimato foram durante os anos de 1990 a 1997 um dos grandes - se não os maiores - embaixadores do pop-rock alentejano - sim, alentejano, neste âmbito até faz sentido. Com dois álbuns editados durante a sua curta carreira, este, o homónimo, traz os temas pelos quais o quarteto bejense mais ficou conhecido e que maior furor fizeram por esse Baixo Alentejo fora: "Sei que não sou" - pois claro, "Gravatas" e "Grão de Amor". Mas porquê? Não sei, senão as recordações que trazem, o que fazem sentir, a agradável textura pop que acompanha boa parte daquelas sinceras palavras lusas; bem medidas, bem sentidas. Depois, ainda há o aroma do Alentejo, também...aqui e ali, além. Liderados por Paulo Ribeiro, autor de um álbum solo em 2002, …

NOVIDADES|"Trimegistus" - Necrostilet

Os Necrostilet estão de regresso!
Após o lançamento pela MiMi Records, já em 2007, de "From Utero to Space", Tiago Morgado e Marco Ramos estão de volta às edições. O novo disco chama-se "Trimegistus" e foi lançado na semana passada pela editora portuense OroborO Records, numa edição limitada a 144 unidades. No MySpace da dupla, é possível ouvir alguns dos sons que compõem "Trimegistus", sendo de destacar o tema "Trimegistus I", onde às experiências electrónicas, marcadamente ambientais e de tez espacial, se junta a magnífica viola d'arco de Tiago Morgado. Bela experiência electroacústica.

Ouvir alguns sons de "Trimegistus"

"Trimegistus" - Necrostilet (OroborO Records, 2007)

Ambiental/Noise
www.myspace.com/oretuni666